Home / Colunas / Tretas históricas do Jiu Jitsu – Parte 4: Macaco x Margarida, de professor e aluno a rivais no MMA

Tretas históricas do Jiu Jitsu – Parte 4: Macaco x Margarida, de professor e aluno a rivais no MMA

E chegamos a mais um capítulo da nossa série de posts sobre as tretas históricas do Jiu Jitsu. E por coincidência (ou não), Jorge Patino Macaco aparece como personagem pela terceira vez neste quarto artigo. Ele ficou de fora apenas da Treta nº1 entre Wallid Ismail e Edson Carvalho, tendo aparecido na Treta nº2 entre Robson Gracie e Marcelo Tigre contra o Mundo e na Treta nº 3 entre o próprio Macaco e seu ex sócio Roberto Godói.

No artigo de hoje, contaremos a história sobre como Fernando Margarida, um dos maiores talentos da história da arte suave, passou de aluno de Macaco a rival a desafeto e adversário em uma luta de MMA.

***

https://pbs.twimg.com/profile_images/1566825796/maga_400x400.jpg

“Gostaria de agradecer ao apoio dos meus cachorros, Pipeline, Aloha, Sol e Touro!”.

Brasileiro de Jiu Jitsu de 2000. Depois de Fernando Margarida perder a final do absoluto para Márcio Pé de Pano, seu então professor, Jorge Macaco, bateu palmas ironicamente e questionou: “Como você esperava ganhar, se nem o pano da sua academia você usa no kimono?!?!” Foi o início de uma crise que culminou com a saída de Margarida da Godói-Macaco, dias depois.

Foi feita uma reunião na academia, onde ficou decidido que Margarida seria punido com a proibição de lutar na segunda edição da Taça da Amizade, evento de lutas casadas com premiação em dinheiro e que rolaria dias depois. Margarida não aceitou, e nesse ponto as versões divergem: enquanto Roberto Godói disse que Marga foi expulso, este disse que castigo era para crianças, que ele era profissional e que decidiu sair por vontade própria. O fato é que Margarida realmente acabou não lutando no evento, e indo treinar na Brazilian Top Team.

No ano seguinte, semifinal da categoria absoluto da faixa-preta do mundial de jiu-jitsu, Margarida enfrentaria o bicampeão mundial Rodrigo Comprido, e que já tinha duas vitórias em confrontos diretos contra o paulista. Coincidentemente, o juiz da disputa seria Jorge Macaco. Margarida acabou vencendo por 13×8 na melhor luta do evento, mas saiu reclamando que Macaco deixou de dar vários pontos durante a luta. Macaco respondeu que jamais ia se queimar por causa de um cavalheiro do quilate de Margarida (na verdade, não foram exatamente essas palavras…).

Anos depois, em novembro de 2006, os desafetos puderam resolver as diferenças em cima do ringue do Showfight, evento de lutas do empresário Oscar Maroni . Era a estreia de Margarida no MMA, e depois de passar 3 meses treinando com Ricardo Arona (não, ainda não era no octorringue) e com a galera da BTT, encarava o Macaco, que já tinha mais de 40 lutas na época. Para a surpresa geral, Margarida, que entrou com a tática de jabear e derrubar, conseguiu aplicar o gameplan à risca, desferindo um sem número de jabs, dando 3 suplês e dominando Macaco no chão, impressionando os jurados e vencendo por decisão unânime. No fim da luta, com o microfone na mão, Margarida, que sempre deu declarações peculiares, agradeceu aos amigos da BTT e “ao apoio dos meus cachorros, Pipeline, Aloha, Sol e Touro”.

 por Fábio Henriques

 

About Bruno Fugazza

Bruno Fugazza é faixa roxa de Jiu Jitsu, árbitro de MMA, e um eterno apaixonado por artes marciais. Começou com as primeiras quedas no Judo aos 5 anos de idade, passou pelo Muay Thai Muay Thai, até encontrar no Jiu Jitsu o amor verdadeiro. Teve a sorte de ver ao vivo na Califórnia a melhor luta da história do esporte, entre Buchecha e Rodolfo no Mundial de 2012.
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com