Home / Colunas / Preparador Físico Itallo Vilardo comenta suas impressões sobre o Mundial 2017

Preparador Físico Itallo Vilardo comenta suas impressões sobre o Mundial 2017

Mais um mundial chegou ao fim, novos campeões, novos ídolos, velhas disputas, muita emoção! Quem acompanha meu trabalho sabe o que sempre bato na tecla de algumas coisas, como a importância da especificidade, do planejamento, do estudo das competições, e alguns outros fatores que podem facilitar a vida do nosso atleta na chegada da hora da competição decisiva. Tenho feito algumas previsões ao passar dos anos que estão cada vez mais próximas de se concretizar, uma delas é a que daqui a alguns anos a quantidade de campeões brasileiros será cada vez menor, visto a profissionalização do esporte e dedicação dos estrangeiros, principalmente dos americanos.

Em 2013 quando fui requisitado pelo Caio Terra para ir pessoalmente treina-lo para o mundial do mesmo ano (e o Caio sagrou-se campeão), fiquei quase quarenta dias na academia dele e pude comprovar o quão profissionais os americanos são. Se o treino começa as 10h, as 10hs eles já estão prontos, de kimono, esparadrapo no dedo e a beira do tatame para começar o treino, onde faziam o que era pedido, sem reclamar, sem questionar sem interromper o treino com conversas e brincadeiras, ao contrario dos brasileiros, que não apareciam no tatame antes das 10:20 para ainda se arrumarem para o treino… O profissionalismo deles é fantástico e cada vez mais vezes vão conquistar mais espaços no pódio em faixas cada vez mais escuras.

Outros três fatos me chamaram a atenção esse ano, um deles já era previsível: a soberania de um “monstro” chamado Buchecha! Total controle das lutas, estratégia perfeita e mesmo quando começava perdendo demonstrava calma e nos dava a tranquilidade de que sabia exatamente o que estava fazendo e que sabia que horas e em que movimento viraria a luta a seu favor. Conquistou seu 5º titulo absoluto, recorde ate então inimaginável! E não estranharia se ainda repetisse o feito mais algumas vezes.

Segundo fato tem muito a ver com que eu falo de planejamento e estudo de adversários. Em mais um confronto, Erberth Santos encara Bernardo Faria e sai vencedor. Sem tirar o mérito do Erberth, que é um grande atleta, muito talentoso e excelente competidor, Bernardo já deveria prever que o tipo de luta que ele faz e o que fez chegar a nove finais na faixa preta não funcionaria contra o Erberth. Talvez um bom trabalho de assessoria e coaching, criando analises de padrões o ajudaria. Está na hora de profissionalizar o esporte! O Judô, wrestling e MMA fazem isso há algum tempo.

E o terceiro fato foi a dupla derrota de Leandro Lo. Apesar de lutar contra dois excelentes atletas, Lo era o mais capacitado a ser campeão do peso. A impressão que tive é que o ritmo alucinado de competições que ele vinha fazendo (com o objetivo de se testar e pontuar para o ranking) acabou pesando e o deixou “cansado” para o evento principal.

Organizar um calendário competitivo é de fundamental importância para o sucesso na competição principal. Leandro disputou praticamente 6 títulos (peso e absoluto) nos últimos 45 dias antes do mundial, além de uma luta NOGI de 20 minutos contra Gordon Ryan no ADCC. No total, foram 24 lutas até ele chegar às finais do Mundial. E isso pode ter pesado sim! Disputar competições testes, sentir como o corpo se adapta a nova categoria são importantes, mas deveria ter sido feito uma melhor estratégia em relação às competições.

Parabéns a todos os participantes, medalhistas ou não. Espero mais um show ano que vem, pois é isso que vale: “O show” que vocês fazem! Nós, fãs, praticantes e amantes da arte suave só podemos agradecer por tamanha dedicação e empenho.

Osss

Itallo Vilardo – Preparador físico especializado em esportes de combate

www.itallovilardo.com

itallovilardo@yahoo.com.br

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com