Home / Colunas / Agnes Lima / MMA nas olimpíadas. Pra mim uma realidade ainda distante.

MMA nas olimpíadas. Pra mim uma realidade ainda distante.

Dana White

Dana White, presidente do UFC. (Foto: Esporte Interativo)

Dana White, presidente do maior evento de MMA do mundo, o UFC, declarou essa semana em uma entrevista à ESPN os esforços feitos para que o MMA entre para as olimpíadas num breve futuro.

Segundo a declaração de White:

“Nós estamos provavelmente trabalhando nisso há três, quatro ou cinco anos, e nós deveríamos estar lá. Definitivamente deveríamos. Eles têm judô, que usa finalizações. Eles têm boxe, que pode socar no corpo e na cabeça. Eles têm taekwondo, que você pode chutar e socar. Tudo o que nós fazemos já está nos esportes olímpicos, então faz sentido.”

Porém lendo essa declaração do chefão do MMA atual eu me remeti ao tempo em que comecei na arbitragem e julgamentos de lutas, afinal eu iniciei no boxe olímpico.

As novas regras de segurança do Boxe olímpico

Desde que me credenciei como oficial de boxe olímpico pela Liga Sorocabana de Boxe há alguns anos, aconteceram várias modificações nas regras da AIBA, a Associação Internacional que regulamenta o boxe olímpico, porém, sem dúvidas, a mais marcante foi a recente retirada dos capacetes dos homens em todas as categorias de peso dos adultos (afinal o boxe olímpico tem categorias infantil, cadete e juvenil).

Fui informada sobre essa mudança pessoalmente por Luiz Boselli, um dos principais executivos da AIBA, há mais de um ano, e me lembro da felicidade em que ele contou isso pois era mais um passo para que o boxe olímpico se tornasse atraente como o profissional, em alguns aspectos.

Naquele momento, eu que sou fã declarada e escrachada de MMA, dei pulinhos de alegria porque afinal eu gosto de “ver o côro comer” dentro do ringue.

O reflexo das mudanças

Já nas primeiras lutas em que fui julgar ou narrar (sim, a função de narradora me afastou da arbitragem, mas eu não resisto em lançar minha voz ao mundo..rs), via-se a diferença gritante que aconteceu com a retirada dos capacetes.
É claro que não estamos falando de impacto interno ou lesões, nocautes ou knockdowns, mas sim algo que mexe com o psicológico de quem não está acostumado a acompanhar lutas: o sangue!

E analisando as paradas e encerramentos de lutas durante os jogos do Rio esse ano, eu vi que esse realmente é um fator preocupante quando se trata de olimpíada, afinal o público da olimpíada não é o público da luta, é um público geral, mundial. É um público que está lá somente pelo seu país, muitas vezes sem nem saber do que se trata a luta em si.

Durante as lutas algumas vezes me questionei, e tá aí algo que acabei de me lembrar que vou perguntar ao Boselli, é que análise a AIBA e o COI fizeram disso.
Sem capacete os cortes acontecem mais, ficam visíveis, o sangue escorre, o árbitro para. É a lei natural.
E sangue não é algo bacana de ficar escorrendo na ‘cara’ do lutador na olimpíada.

O MMA

Eu, tanto quanto quem ama MMA como eu, sou uma das pessoas que mais acho que o MMA deveria fazer parte das olimpíadas, pelo merecimento.
Porém após a retirada dos capacetes do boxe olímpico eu realmente me coloquei em dúvida quanto a isso.

Lendo ali a declaração do Dana White, vi que as comparações existentes são verdadeiras e fazem sentido, porém num contexto olímpico muito muda.

Finalizações do judô são a única coisa que acho que possa ter algo semelhante ao MMA, porque comparar chutes de taekwondo e socos do boxe olímpico são irreais.
Imagina um chute frontal com protetor bucal voando e sangue escorrendo pela boca do lutador, ou socos com aquela luva minúscula num ground and pound fazendo jorrar sangue (como exemplo a luta entre Antônio Pezão e Cain Velasquez).

As lutas certamente acabariam muito mais rápido, teriam de ser encerradas antes da hora, e em muitos casos eu acho que o resultado nem seria justo.

Por isso, apesar de apaixonada pelo MMA, e certa de que por merecimento ele realmente devesse estar nas olimpíadas, analisando por um ‘contexto olímpico’ eu ainda acho que é uma realidade muito distante vermos nossos lutadores com medalhas olímpicas penduradas em seus pescoços.

 

Por Agnes Lima
Facebook: Grupo Do Vale Tudo ao MMA

Para ficar por dentro das principais notícias do mundo da luta, siga nossos perfis no Twitter e Instagram, e curta também a nossa página oficial no Facebook.

*O material acima representa a opinião pessoal do autor, não retratando necessariamente a opinião do BJJForum.

About Agnes Lima

Announcer de MMA, formada em arbitragem de boxe pela Liga Sorocabana de Boxe e em MMA pela Associação Brasileira de Arbitragem de Lutas. Atuou como juíza e locutora em campeonatos regionais e estaduais de boxe e é fundadora do grupo de Facebook “Do Vale Tudo ao MMA”.
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com