Home / Destaques / Entrevista: Jonnatas Gracie comenta ouro duplo no Mundial, faixa marrom e Copa Podio

Entrevista: Jonnatas Gracie comenta ouro duplo no Mundial, faixa marrom e Copa Podio

Curiosamente, o “Gracie” que mais impressionou o ginásio durante o Mundial IBJJF 2017 não faz parte da família real do Jiu Jitsu. Tendo o “Gracie” adicionado como segundo nome por seu pai, que era um grande fã de lutas, Jonnatas começou no Jiu Jitsu aos 14 anos, e sempre teve que percorrer o caminho mais difícil: morar em academias, em cidades longe de sua família, enfrentar dificuldades financeiras e se provar no meio de milhares de outros jovens que sonham com um futuro na arte suave.

Aos 19 anos, Jonnatas finalmente conseguiu a atenção do mundo da arte suave ao faturar o peso leve e o Absoluto no Mundial deste ano, derrotando os gigantes que foram 1º. 2º e 3º colocados da categoria pesadíssimo no processo, com uma guarda pra Gracie nenhum botar defeito. Mas para quem acompanha o BJJ Fórum, seu sucesso não é surpresa, pois já há alguns anos avisamos para ficar de olho nele, como na seletiva do ADCC em 2015, em sua graduação à faixa roxa ou quando o apontamos como uma das Promessas do Jiu Jitsu.

E com as vitória, veio o justo reconhecimento. Jonnatas foi convidado pela Copa Podio para integrar o GP dos Médios, que rola neste final de semana em Manaus.

Batemos um papo com o recém graduado faixa marrom sobre tudo isso. Confere aí!

***

BJJ Fórum – Jonnatas, primeiramente obrigado por falar com a gente, e parabéns pelo ouro duplo no Mundial. Qual foi a primeira coisa que veio na sua cabeça quando você venceu o Absoluto?

Jonnatas Gracie – Quando eu venci a primeira coisa que veio na mina cabeça foi que valeu a pena todo o sacrifício que eu fiz nesses anos, toda a dedicação de ter treinado tanto e as dificuldades que tive que superar. Mas por outro lado, assim que eu recebi a faixa marrom, entendi que esses títulos na faixa roxa ficaram pra trás e começa um caminho novo, com mais desafios e sacrifícios a serem superados pela frente.

Sua campanha no absoluto foi impressionante, vencendo três medalhistas da Pesadíssimo, mesmo sendo um peso leve. Quais dicas você daria pra lutar contra caras tão mais fortes e pesados?

Eu acho que não faz tanta diferença se seu adversário é leve ou pesado, a questão é confiar no seu jogo, confiar no seu Jiu Jitsu. Uma coisa prática que é muito importante é ter uma pegada boa para manter o controle do adversário, mas no geral, você tem que fazer o seu jogo mesmo, aquilo que você faz de melhor, que vem praticando nos treinos.

Após as vitórias no Mundial o André Galvão te promoveu à faixa marrom. Preparado pros desafios da nova faixa? Na sua visão, muda muita coisa da faixa roxa pra marrom?

As coisas sempre mudam quando você troca de faixa, mas na minha opinião o que realmente importa é seu treino, como você se dedica na academia. Seja um faixa azul ou um faixa preta, para ser campeão o segredo é continuar treinando muito, tentando melhorar um pouco a cada dia. Venho pensando e trabalhando dessa forma desde a faixa azul, e tem dado certo, então pretendo continuar nesse caminho.

Você foi convidado pra lutar o GP dos Médios na Copa Podio. Qual a expectativa pro evento? O fato de vitória por finalização valer mais pontos muda algo no seu jogo?

Sim, eu fui convidado de última hora para completar o card no GP dos Médios, até 88kg e fiquei muito feliz. Acho que não vai mudar muita coisa no meu jogo não. São faixas marrons e pretas todos juntos, então a coisa é bastante difícil, mas é como eu falei, você tem que acreditar no seu Jiu Jitsu, no jogo que você faz bem. Eu na verdade não estou muito preocupado com essa questão dos pontos não, estou pensando em ir até lá e lutar bem mesmo, fazer meu melhor e ver o que vem como resultado.

Está rolando no Instagram uma campanha pra te “jogarem” no Rio Negro, o grupo dos faixas pretas da Copa Podio. É uma vontade sua encarar esse desafio?

Sim, é uma vontade minha e o pessoal tem me ajudado e pedido meu nome no grupo Rio Negro no Instagram da Copa Podio. Mesmo tendo chegado agora na marrom, eu encaro a chance de lutar no grupo dos faixas pretas como um desafio ótimo, uma grande oportunidade e experiência. E não podemos deixar passar chances como essa.

Esse ano você teve uma grande mudança na sua vida, saindo de São Paulo e indo treinar em San Diego, na Atos. Fala um pouco sobre como aconteceu esse convite, e como foi essa transição para outra equipe e outro país.

Essa oportunidade veio por meio do Lucas Barbosa, o “Hulk”, que é um grande amigo meu. Foi ele quem me apresentou ao André Galvão e à Angélica Galvão, que me receberam de braços abertos na equipe, o que fez essa transição ser muito mais fácil. Não tenho como agradecer por toda a ajuda que eles me deram nesse processo.

E após o evento, quais seus planos pro futuro? Volta pra San Diego, ou pretende ficar pelo Brasil?

Eu devo ficar no Brasil até outubro, já tenho alguns Seminários e Aulões agendados, e estou tentando marcar mais alguns nesse período (interessados podem me chamar nas minhas redes sociais!). E após isso o plano é voltar para a Atos nos Estados Unidos e focar os treinos já para o Europeu IBJJF 2018!

Obrigado pela entrevista, Jonnatas. Algum comentário final ou agradecimento?

Gostaria de agradecer a vocês pela oportunidade da entrevista, e à toda a minha equipe da Atos HQ. E também ao Jeferson Maycá e à organização da Copa Podio por acreditarem em mim e me convidarem para o GP dos Médios. Prometo a eles e aos pessoal que vai assistir que vou dar o meu melhor e colocar todo meu coração nas minhas lutas, e conto com o apoio de vocês.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com