Home / Colunas / Coluna do Dr Thairon Medeiros: Lesões Meniscais do Joelho

Coluna do Dr Thairon Medeiros: Lesões Meniscais do Joelho

LESÕES MENISCAIS DO JOELHO

Hoje seguiremos com as lesões do joelho e muitos atletas sofrem com as rupturas do menisco, isso inclui o amigo que aqui escreve.  Apesar de temidas e frequentes, essa lesão em sua maioria tem bom resultado e um retorno relativamente rápido aos treinos.

O QUE É O MENISCO?

Na verdade possuímos dois meniscos em cada joelho, um na parte interna (menisco medial) em formato de C e outro na parte de fora do joelho (menisco lateral) que é mais semicircular e são divididos em parte anterior e posterior. São formados por uma espécie de cartilagem que está presa aos ossos do joelho (tíbia, fíbula e fêmur) por diversos ligamentos.  Suas principais funções são de sustentação do peso, absorção dos impactos, estabilização e equilíbrio do joelho.

QUAIS OS SINTOMAS DA LESÃO?

Os atletas mais jovens (até 30 anos) sofrem lesões mais agudas, já os atletas com mais de 40 anos, apresentam lesões crônicas degenerativas.

As lesões agudas são causadas principalmente por um trauma agudo com compressão axial combinadas com rotação do joelho, gerando dor dentro do joelho e inchaço, podendo ter estalido ou até bloqueio para estender ou flexionar o joelho. Frequentemente a lesão no menisco também está associada a lesão do ligamento cruzado do joelho, nestes casos a dor, o inchaço e a instabilidade do joelho é mais importante.

Já os atletas com lesões crônicas ou degenerativas tem uma dor de causa mais arrastada e progressiva e o mecanismo causador da dor é mais insignificante, como um agachamento.

No Jiu jitsu essas lesões podem ocorrer em algumas posições:

1 – Quedas, durante a aplicação ou defesa de uma queda com a rotação do corpo em cima do joelho

2 – Nas chaves de joelhos e tornozelos.

3 – Passagens de meia guarda cruzando o joelho para dentro

4-  Defendendo na guarda ou na tentativa de reposição

COMO O DIAGNÓSTICO É FEITO?

O ortopedista, através de um bom exame físico na maioria dos casos consegue suspeitar  da lesão, principalmente quando existe dor e hipersensibilidade na linha articular do joelho. Somente após o exame físico detalhado o médico solicita os exames de imagem:

1 – Raio X : avalia a parte óssea, se não existe presença de artrose ou fraturas.

2 – Ressonância Magnética: é o melhor exame para o diagnóstico preciso, podendo mostrar o local preciso da lesão, a intensidade e lesões ligamentares e de cartilagem associadas. Porem esse exame deve ser avaliado por um médico experiente, pois algumas vezes o exame pode indicar uma lesão falsa, sendo indicado algum tratamento indevido ao paciente, até mesmo uma cirurgia desnecessária.

    

COMO TRATAR A LESÃO:

Dependendo do grau da lesão, o tratamento pode variar de reabilitação com fisioterapia, cirurgia por vídeoartroscopia podendo ser realizado a retirada parcial do menisco, reparo com sutura (costurar o menisco rompido) entre outras técnicas.

1-  TRATAMENTO CLÍNICO: indicado geralmente para as lesões menores e incompletas que acometem principalmente a parte posterior. Inclui a modificação da atividade para evitar os giros do joelho que podem agravar os sintomas, os alongamentos e o fortalecimento dos músculos quadríceps e isquiotibiais. Esse tratamento funciona melhor em atletas mais velhos, porém com a retomada dos treinos intensos pode haver retorno da dor.

2- CIRÚRGICO As principais indicações para a cirurgia artroscópica (por vídeo), são a dor contínua e o edema que não melhora com tratamento clinico e o bloqueio do joelho. Sempre, outras possíveis causas de dor no joelho devem ser excluídas para o tratamento ser mais eficaz

É difícil decidir quando se deve realizar uma retirada parcial do menisco em vez do reparo em um menisco parcialmente rompido.  O reparo, quando bem realizado e indicado, tem um melhor resultado, porém só pode ser realizado em lesões bem específicas, necessita de um tempo de reabilitação maior e tem uma taxa maior de falha no tratamento que a ressecção simples do menisco.

QUANDO VOLTAR AO ESPORTE:

Após a cirurgia o paciente realizara um trabalho de reabilitação progressiva, conforme orientado pelo médico, fisioterapeuta e posteriormente manter o trabalho de alongamento, fortalecimento e equilíbrio muscular e propriocepção da musculatura da pelve, coxa e joelhos sob supervisão de um preparador físico, para prevenir novas lesões. Independente da cirurgia realizada, o mais importante é realizar uma avaliação do equilíbrio muscular antes da alta, para um retorno seguro aos esportes.

No reparo do menisco, o paciente fica de 4 a 6 semanas sem pisar e com restrições de movimento para não sobrecarregar os pontos, portanto, o retorno aos treinos só ocorre entre 3 a 6 meses.

Na ressecção parcial do menisco, o retorno progressivo ocorre em média após um mês da cirurgia.

***

 

DR THAIRON MEDEIROS:

Médico ( UFPA )  ortopedista ( IJOT – FMJ ), cirurgião de quadril (HC-FMUSP) e pós graduando em medicina esportiva ( CETE – UNIFESP )
Faixa Preta de Jiu Jitsu ( Guigo Jiu jitsu) / Faixa Marrom de Judô ( Sensei Nicodemos Jr. )
CRM SP: 142001 / CRM MA 9153 / TEOT: 13443

Email:drthairon@yahoo.com  / Instragram: @drthaironmedeiros

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com