Home / Colunas / Campeonatos de Jiu jitsu : Você está sendo sabotado ? – Por Arthur Machado

Campeonatos de Jiu jitsu : Você está sendo sabotado ? – Por Arthur Machado

Vamos aos fatos. É parte da cultura do Jiu jitsu olhar os campeonatos como uma guerra. Um fim em si mesmo onde somos guerreiros e há uma missão a ser cumprida onde ou você ganha ou mesmo estando no pódio, você não é digno de méritos.

Pois bem, se você encara as competições de jiu jitsu assim, ou vê seu professor apresentando dessa forma, te garanto que você está se sabotando e sendo sabotado, perdendo uma das melhores partes do que o jiu jitsu pode lhe oferecer.  Uma guerra tem mensagens subliminares fortes. Há morte, sofrimento, dor, eventualmente deixa transtornos, traumas, ferimentos irreversíveis, o objetivo é destruir o inimigo. Muitos soldados de verdade participam de uma, no máximo duas guerras na vida, quando sobrevivem, e mesmo fazendo das forças armadas seu meio de vida, não ficam infinitamente na linha de frente, sendo promovidos para funções mais estratégicas ao longo do tempo. A guerra não é algo a ser celebrado e  o Jiu Jitsu não é sofrimento.

No jiu jitsu existem dezenas de competições importantes a cada ano, caso queira pode lutar muitas mais de 12 competições importantes e duríssimas e que podem agregar muito a seu aprendizado técnico e emocional. Agora sob essa pressão psicológica da guerra, de herói ou vergonha, de combatente hábil ou inapto, de um gladiador lendário ou mais uma vítima insignificante no coliseu, como você acha que irá competir no jiu jitsu por 10, 15 , 20 anos de forma saudável? Pois bem, não vai. Perderá o prazer em lutar. Você vai criar desculpas para fugir. É para isso que você faz jiu jitsu? Para aprender a fugir?

Arthur Pinheiro Machado em ação no Vitória Open

Apesar do crescente número de atletas nas competições, fenômeno causado pelo aumento do número de praticantes no mundo todo, o que mais temos são diversos potenciais atletas que poderiam ter desempenhos relevantes se furtando de competir, sob a égide do simplesmente não sentir prazer em lutar ou se escondendo no estar sempre muito atarefado nos finais de semana para competir. Lutam as vezes, quase como um ato heroico, de bravura, campeonatos locais ou de menor expressão para cumpri a obrigação de lutar uma vez na faixa e poder então estar apto a uma promoção. Dever cumprido com a “pátria”.

É uma pena pois estão perdendo a melhor parte do jiu jitsu. O campeonato é uma experiencia única, fantástica para você evoluir como ser humano de forma geral. A gama de sensações que você tem de lidar são muito próximas ou mesmo iguais às que você tem de lidar no seu trabalho, na vida real quando você tem de sair da zona de conforto. Ir para uma entrevista de trabalho, fazer uma prova importante, o primeiro dia na universidade, mudar de país, enfrentar frustações provocam as mesmas sensações que você tem no campeonato: medo, ansiedade, lidar com a adrenalina, sentir o corpo meio anestesiado, pensamentos opostos que oscilam entre a autoconfiança e o desencorajamento. A diferença é que na vida, os desafios não são feitos em um ambiente controlado, no campeonato o ambiente é muito controlado.

Ali você ganhará resiliência como ser humano. Resiliência que advém do fato de  sair da zona de conforto, se expor publicamente. A primeira vez que pisamos em um tatame no estádio achamos que todos estão te olhando, todos estão te julgando inclusive o arbitro, a mesária, o professor, ora isso é diferente em quê da primeira vez que você sobe em um palco para fazer uma apresentação?

Você não vai morrer se perder uma luta. Não será o fim do mundo nem a vergonha da nação ou da equipe. Muitos acabam uma luta e dizem: “Caramba, não era nada demais”. Exatamente isso, lutar não é doloroso, não é um sofrimento, é um prazer enorme pois forca a sua expansão técnica e emocional.  O maior problema é a forma como você ve o campeonato e não como ele é de fato.

Sabemos que a primeira coisa que ganhamos no jiu jitsu é autoconfiança, mas ela tem de ser crescente e cultivada. Pois bem, confronte seus medos residuais. O medo é o sentimento mais destrutivo que você pode manter ou aceitar ,pois paralisa sua mente e inibe sua criatividade na vida, inibe sua capacidade de avançar, tomar decisões, se expor. Quando você deliberadamente se põe em situações de enfrentamento dos medos você vai se familiarizando com ele e aprende a supera-lo mostrando quem de fato manda em você. O medo se torna pequeno e cada vez menor e você cada vez maior. O enfrentamento permite que você se conheça melhor e lide com situações de desconforto com sabedoria e não de forma improvisada e reativa. Para isso é preciso praticar, ter experiencia e os campeonatos te oferecem essa possibilidade de graça, ou quase, em um ambiente controlável e estimulante. Permitem que você mesmo perdendo expanda seu potencial, você sairá maior de cada campeonato. Eles te tornarão um ser humano melhor. Não perca o melhor do jiu jitsu por adotar uma visão do sacrifício e da dor, jiu jitsu é filosofia de vida, saúde, prazer, olhe dessa forma e divirta-se lutando. Siga a máxima de Delfos, Conhece a ti mesmo, assim conhecerá os deuses. Até o próximo campeonato.

Sobre o autor:

Arthur Pinheiro Machado é empresário, empreendedor e entusiasta do Jiu-Jitsu. Faixa preta de Jiu-Jitsu de Alfredo Julio (GFTEAM). Arthur possui projetos filantrópicos como o Educar Holding, que que leva a educação de qualidade e os métodos criativos de aprendizado a mais gente no Brasil, a cada dia e dealizador do Instituto Devir, uma organização sem fins lucrativos que promove a transformação da vida de crianças e jovens por meio da educação, esporte e melhoria ao acesso à saúde pública no Brasil,

  • Bruno Ribeiro

    Excelente!!!

  • Ricardo Tsukuda

    Ótimo texto, porém “os campeonatos te oferecem essa possibilidade de graça”, na verdade os campeonatos são caros e elitizados. Não luto mais por falta de grana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com