Home / Competições / Brasil / Após pensar em parar, Renato Cardoso comenta triunfo no Floripa Open de Jiu-Jitsu

Após pensar em parar, Renato Cardoso comenta triunfo no Floripa Open de Jiu-Jitsu

Renato Cardoso, campeão absoluto do Floripa Open de Jiu-Jitsu. Foto: GRACIEMAG

Renato Cardoso, campeão absoluto do Floripa Open de Jiu-Jitsu. Foto: GRACIEMAG

Por Vitor Freitas – GracieMag

Depois de não passar da fase de grupos da Copa Pódio, no início de setembro no Rio, Renato Cardoso ficou tão chateado com sua atuação que pensou em largar o Jiu-Jitsu. Mas o atleta da Checkmat foi impedido pelos familiares e deu a volta por cima no último fim de semana, no Floripa Open, em Santa Catarina.

O final foi feliz: Renato foi com méritos o melhor faixa-preta do torneio da CBJJ, ao vencer o absoluto.

O aluno de Rodrigo Cavaca conversou com GRACIEMAG sobre a Copa Pódio, falou do ouro e da prata conquistados no Floripa Open e deu lições para você melhorar sua guarda.

GRACIEMAG: Primeiro, o que deu errado na Copa Pódio de Jiu-Jitsu?

RENATO CARDOSO: Para falar a verdade, nem eu mesmo sei o que ocorreu comigo naquele dia. Desde a primeira luta não me senti bem, não sei se me cobrei demais. Eu até pensei em parar de lutar. Mas meus pais, minha namorada e meus alunos me deram forças para eu voltar, e assim encarei o Floripa Open, porque nem isso eu queria. Mas com a ajuda de Deus reuni forças para vestir o kimono e lutar. E tudo voltou aos trilhos.

Como foi o desempenho no Floripa Open, em Florianópolis?

Estava bem treinado, pois tinha acabado de lutar a Copa Pódio. E voltei a ser o mesmo Renato. Joguei para a frente, apliquei meus principais ataques no pé e joelho e saí vitorioso. Primeiro bati na trave no meio-pesado e fiquei com a prata. Depois entrei no absoluto e saí com a vitória. Fiz cinco lutas entre o peso e o aberto.

Na final do meio-pesado, você parou no Rodrigo Fajardo (Gracie Barra). Como analisa a derrota?

Foi uma luta dura e não saí vencedor. Logo no início, encaixei um leglock justo, porém achei que não estava pegando e desisti da posição. Daí para a frente busquei a finalização o tempo todo e esqueci um pouco a estratégia. Errei mais, o que me custou a vitória, pois ele acabou passando minha guarda. Por ser uma atleta experiente e muito duro errei em só tentar finalizar, deveria ter lutado com mais estratégia. Este pode ter sido um dos meus defeitos também na Copa Pódio.

O que você mudou para vencer o absoluto, após final contra Mauro Felipe (AS Team)?

Ninguém gosta de perder, então esfriei a cabeça e me concentrei. Fiz uma análise das minhas vitórias anteriores e deixei o jogo mais justo, para não perder posição. Mauro foi campeão no pesadíssimo e por mais que seja pesado, ele se movimenta muito bem. Desde o começo esperei o momento certo para finalizar. Puxei para a guarda e fui abrindo o caminho para chegar ao leglock e, quando ele deu um mole, ajustei o joelho e finalizei.

Que dicas você daria para o leitor que quer ter uma guarda mais perigosa?

Treine sempre muitas variações de finalização da guarda fechada, aberta e emboladas nas pernas. Repita para as finalizações ficarem no automático, sem você precisar pensar. Depois, arrisque bastante nos treinos, para na hora da competição você confiar que vai funcionar. O adversário pode saber o que você vai fazer, mas se você tiver um bom ajuste e acreditar, vai pegar. Lembre-se: seu movimento tem de estar sempre à frente do oponente.