Home / Colunas / Jiu-Jitsu e artes marciais ajudam na memória e no sexo, aponta artigo

Jiu-Jitsu e artes marciais ajudam na memória e no sexo, aponta artigo

Por Graciemag

Beijo-sexo-Jiu-Jitsu-BJJ

Foi-se o tempo em que o Jiu-Jitsu e as demais artes marciais eram apenas para os homens. Hoje em dia, está mais do que surrado o argumento de que lutar faz bem para os ossos, músculos e para a mente de homens e mulheres. Recentemente, a revista da Editora Abril “Boa Forma” reforçou esses benefícios,em reportagem de Natália Leão.

Como comprova a revista, existe, sim, uma fórmula simples e milagrosa para recuperar a forma física e a autoestima: matricular-se numa escola de artes marciais. “Benefícios não faltam: além de menos gordura e músculos definidos, alívio do estresse, sexo mais gostoso e uma força para a autoestima”, diz o artigo.

Antes visto como algo truculento, a prática de luta já é reconhecida como um exercício agressivo apenas contra as gorduras. “A ideia não é se machucar nem mostrar que é mais forte que a adversária. Emagrecer, relaxar e conquistar mais saúde é o que você lucra quando decide ir à luta”, diz a revista feminina.

Confira apenas alguns dos benefícios de lutar Jiu-Jitsu e outras artes.

1. Jiu-Jitsu e emagrecimento

Um estudo da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, revelou que exercícios intensos, ou seja, que trabalham ao máximo o aproveitamento de oxigênio pelo organismo, podem prolongar a queima de energia até 14 horas depois do treino.

2. Jiu-Jitsu e músculos na medida

Se você é mulher, não fique com medo de ganhar braços grandes demais ou ficar com o corpo masculino se começar a lutar. Esse tipo de treino não faz os músculos bombarem, pelo contrário. “Além de ser ótimo para secar gordura, o exercício define o corpo sem aumentar a massa muscular. Neles, o foco não é hipertrofia”, explica Mauro Cardaci, coordenador de lutas da Bodytech, em São Paulo.

3. Estressou? Vá lutar!

Sabe aquele dia em que você precisa se segurar para não mandar o chefe passear? Soltar os bichos no ringue é uma alternativa certeira para segurar a onda nessas horas e tirar de letra as tensões e a ansiedade do dia-a-dia. “Todo tipo de luta e arte marcial é ótimo para eliminar a energia interna represada e recuperar o equilíbrio e a calma”, fala o psicólogo do esporte João Ricardo Cozac, de São Paulo.

4. Sexo a mil com Jiu-Jitsu

Quando você começa a praticar uma luta se sente mais capaz, poderoso e autoconfiante. Sem contar as mudanças no seu corpo, que fica mais forte e definido. Tudo isso já é suficiente para melhorar sua vida na cama, afinal, autoestima é tudo na cama. Junte a esse benefício outras habilidades que esse tipo de treino desenvolve – flexibilidade, agilidade e resistência – e o resultado é mais energia e diversão a dois.

5. Lutar é bom para o cérebro

Na luta, o treino mental é tão importante quanto o condicionamento físico e a força – controlar as emoções e os pensamentos negativos durante o combate é o segredo para a vitória. “Na aula, é preciso ter foco no adversário e atenção para coordenar os golpes”, explica Fábio Grieco. Um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) concluiu que a prática de artes marciais contribui para melhorar o nível de concentração em crianças e jovens com transtorno de déficit de atenção, de modo que os prejuízos na vida adulta sejam menores. Se você procura mais foco no trabalho e menos esquecimento (do aniversário dos amigos, de onde colocou as chaves do carro…), tem muito a ganhar indo à luta.

6. Postura e abdome firmes

A barriga reta e definida de quem pratica alguma modalidade de luta é resultado da malhação pesada que essas aulas são para o core (a musculatura que inclui abdome, glúteos e parte de baixo das costas), que é o centro de força do corpo. Em outras palavras, é ele que dá sustentação à coluna. De quebra, fortalecer esses músculos é fundamental para estabilizar as costas, acertar a postura e prevenir dores. Quem já sofre de algum desconforto em alguma região das costas não deve sair lutando sem antes conversar com um médico e o professor da academia para saber a causa do incômodo.