Home / Destaques / Bernardo Faria comenta profissionalização do jiu-jitsu e acredita em ‘extinção’ de seminários

Bernardo Faria comenta profissionalização do jiu-jitsu e acredita em ‘extinção’ de seminários

Bernardo Faria com anel de campeão mundial absoluto em 2015 (Crédito: IBJJF)

Quatro vezes campeão mundial, Bernardo Faria decidiu se afastar do cenário competitivo em 2018 para se dedicar a novos projetos e, atualmente, tem colhido frutos. Além de ser proprietário de uma academia em Boston, Massachusetts, ele é co-fundador do BJJ Fanatics, uma das maiores plataformas on-line que oferece cursos de jiu-jitsu ministrados por atletas de destaque.

 

Em entrevista ao canal Jiu-Jitsu in Frames, Bernardo afirmou acreditar que aos poucos, os atletas estão indo rumo a profissionalização e que, em algum momento, deixarão de ministrar seminários por terem outra fonte de renda.

 

Usando seu próprio exemplo, o mineiro contou que, na época em que já era faixa preta, lutava alguns campeonatos e mesmo com a graduação, ganhava pouco dinheiro e, por isso, os atletas precisavam dar aula para sobreviver. Não existia a opção de ser só atleta, ele tinha que dar aula”, disse Bernardo, complementando que ele optou por não dar aula e ter uma vida ‘apertada’.

 

“Eu tinha não sei quantos rommates, morava num apartamento com quarto ou cinco pessoas para o aluguel ficar barato e vivia essa vida apertada para eu não ter que dar aula e ter a oportunidade só de treinar”, falou.

 

Apesar de não dar aula, Bernardo, que na época treinava na matriz da Alliance de São Paulo, com o professor Fabio Gurgel, ele viajava para ministrar seminários e era de onde tirava sua renda.

 

“Essa realidade está mudando. Hoje você vê atletas não dando aula e vivendo bem”, disse o campeão mundial, citando o exemplo de atletas como Buchecha e Nicholas Meregali, que não dão aula e conseguem ter uma vida boa.

 

Mas mesmo com a realidade mudando, Bernardo ressalta que os atletas ainda precisam fazer tudo para gerir a carreira e conseguirem ganhar dinheiro: gravar videos, fazer seminário, lutar campeonatos pagos e ainda contar com patrocinadores. “Talvez o pilar de dar aula, para o cara que é atleta 100%, ele já conseguiu eliminar”, disse.

 

E ainda fez um complemento, dizendo achar importante que praticantes de jiu-jitsu aproveite a ‘era’ dos seminários. “Aos poucos acho que esses pilares vão diminuindo e então, logo logo eles não vão ter que fazer seminários. Por isso eu acho que todo mundo tem que aproveitar os seminários”.

 

Para assistir a entrevista completa com Bernardo Faria, você pode acessar o canal no YouTube do Jiu-Jitsu in Frames ou se preferir, pode ouvir também no podcast.