Home / Competições / Mundial 2019: Doze faixas roxas (masculino) que prometem ótimos combates

Mundial 2019: Doze faixas roxas (masculino) que prometem ótimos combates

Na próxima sexta-feira, os faixas roxas entrarão em ação para mais uma edição do Mundial da IBJJF. A cada ano que passa, o nível dos faixas roxas aumentam consideravelmente, mostrando que a faixa roxa é um divisor de águas na carreira dos competidores de Jiu-Jitsu.

Apesar desse ano ter acontecido algumas baixas por conta de questões diplomáticas e problemas de visto, o nível dos competidores se manteve bem alto, como já é costume no Mundial. O BJJForum fez uma lista com doze faixas roxas que prometem prover um ótimo espetáculo para os fãs de Jiu-Jitsu. Confira a lista:

Erich Munis (Alliance / DreamArt)

Categoria: Pesado

Medalhista de ouro em todos os grandes eventos em 2019, Erich Munis vem obtendo grandes feitos na faixa roxa. Em seu primeiro Mundial como faixa roxa, Erich Munis vem embalado pelas conquistas obtidas no Europeu, Pan, Brasileiro e World Pro. Dono de uma guarda perigosa e com um bom arsenal de raspagens de lapela, Erich chega em Long Beach como um dos favoritos ao ouro duplo.

Pedro Machado (R1NG)

Categoria: Meio-Pesado

Com bons resultados desde a faixa azul, Pedro Machado chega ao seu segundo Mundial como faixa roxa buscando repetir os feitos obtidos na época de faixa azul, quando foi campeão peso e absoluto. Em 2019, o aluno de Paulo “Rabicó” Perrota e Roberto Gordo faturou o Europeu e o Pan na categoria. No absoluto do Pan, Machado travou uma guerra contra Erich Munis e foi derrotado no detalhe, mas isso não desabona nem um pouco a performance desse atleta que sempre entra para dar show.

Anderson Munis (Alliance / DreamArt)

Categoria: Super-Pesado

Com resultados expressivos desde o ano passado, Anderson Munis acompanha os passos do irmão Erich nos resultados. Em 2019, o faixa roxa que recentemente se juntou à Alliance através do Dream Art Project, conquistou a medalha de ouro no Europeu, World Pro e no Brasileiro, além de ter participado do GP Spyder Invitational (evento que mescla competidores de diversas faixas). Tais conquistas, colocam Anderson Munis como um dos favoritos no Super-Pesado.

Meyram Maquiné (Guigo / Team Lloyd Irvin)

Categoria: Pena

Chegando ao seu segundo mundial na faixa roxa, Meyram Maquiné desembarca em Long Beach como um dos principais nomes do peso pena. Com um jogo dinâmico e finalizador, Meyram vem disposto a repetir o feito conquistado no Pan. Desde o início do ano, o faixa roxa da Guigo Jiu-Jitsu se mudou para Alexandria, no estado americano da Virginia, para se preparar na academia de Lloyd Irvin.

Tainan Dalpra (AOJ)

Categoria: Médio

Com um jogo bem justo e técnico, Tainan Dalpra segue a mesma linha de Jiu-Jitsu que consagrou seus professores, os Irmãos Mendes. Em 2019, o catarinense venceu o Europeu, Pan e o World Pro sem dar chances aos adversários. O jovem chega ao seu primeiro mundial como faixa roxa com a bagagem de ter sido campeão peso e absoluto na faixa azul no ano passado.

Wallace Costa (GFTeam)

Categoria: Pesadíssimo

Wallace Costa mantém a tradição de passadores da Academia ProCombat, que revelou para o mundo do Jiu-Jitsu, Rodolfo Vieira. Com um jogo de muita pressão e força, Wallace Costa vem conquistando seu espaço no cenário competitivo entre os faixas roxas. O aluno de Gabriel Marinho foi ouro no Pan e no Mundial Sem Kimono ano passado, além de ter conquistado inúmeros ouros nos opens que a IBJJF promoveu em solo americano. Desde meados do ano passado, Wallace vem se preparando na GFTeam Toledo, junto com Max Gimenis, Gutemberg Pereira e Dante Leon.

Fabrício Andrey (Alliance)

Categoria: Pluma

Com um Jiu-Jitsu ofensivo e focado na finalização, Fabrício Andrey chega ao Mundial com um aproveitamento bastante satisfatório em 2019. O Manauara conquistou o título do Pan, World Pro e Brasileiro, com um alto índice de finalização. Com essas ferramentas, Fabrício “Tacacá” Andrey tem muitas chances de estar no pódio do peso pluma.

Conner DeAngelis (Atos)

Categoria: Meio-Pesado

Em seu segundo ano como faixa roxa, Conner DeAngelis busca repetir as conquistas obtidas em 2018. No ano passado, o aluno de André Galvão perdeu a final do Peso Pesado para Roberto Jimenez (Que conquistou a categoria e o absoluto, finalizando todos os combates). Esse ano, Conner teve que lidar com alguns percalços, que já mencionamos em uma entrevista feita mês passado pela nossa parceira, Mayara Munhos, da ESPN. Apesar de todos os problemas recentes, Conner DeAngelis possui um Jiu-Jitsu que pode recolocá-lo no lugar mais alto do pódio.

Andy Murasaki (Atos)

Categoria: Leve

Andy Murasaki é mais um atleta da Atos que vem conquistando bons resultados em 2019. No primeiro semestre, o aluno de Angélica e André Galvão conquistou o ouro no Pan, além de outros triunfos nos Opens realizados nos EUA. Com esse retrospecto, Andy Murasaki se coloca como um candidato em potencial para ocupar uma vaga no pódio.

João Cizeski (Gracie Barra)

Categoria: Meio-Pesado

Aluno de Felipe Preguiça na FP Team, João Felipe Cizeski chega no Mundial embalado pelo título Brasileiro, onde derrotou o favorito ao ouro, Pedro Machado. Apesar de ser desconhecido do grande público, Cizeski obteve resultados interessantes em 2019, como o pódio no absoluto do Europeu e o ouro na etapa de Londres do Abu Dhabi Grand Slam.

Eduardo Roque (R1NG)

Categoria: Leve

Famoso por suas raspagens e estrangulamentos cinematográficos, Eduardo Roque é mais um jovem talentoso criado na Equipe Gordo Jiu-Jitsu. Em 2019, Roque foi Campeão Europeu e conquistou inúmeros ouros de Opens realizados nos EUA, muitos deles, faturando peso e absoluto. Para o Mundial desse ano, o atleta do Time R1NG medirá forças com os competidores do peso leve, ao contrário do último mundial, onde lutou no peso pena.

Jansen Gomes (Checkmat)

Categoria: Médio

Mais um talento descoberto no Morro do Cantagalo, Jansen Gomes já vem obtendo bons resultados desde o juvenil. Em seu primeiro ano como faixa roxa, o aluno de Rico Vieira faturou o ouro do World Pro, e ficou em segundo lugar no Pan da IBJJF. Com um jogo bem dinâmico e muito explosivo, Jansen tem todos os predicados para fazer um bom papel na competição.