Home / Colunas / Entrevista – Itallo Villardo: “Não é o quão duro é o seu treino, e sim o quão certo ele é que faz a diferença”

Entrevista – Itallo Villardo: “Não é o quão duro é o seu treino, e sim o quão certo ele é que faz a diferença”

2017 guarda muita novidades para os leitores do BJJ Fórum! Após anunciarmos semana passada Samir Chantre como nosso colunista quinzenal, hoje temos o prazer de anunciar que Itallo Vilardo também passará a escrever quinzenalmente para nós.

Itallo é um dos mais conceituados preparadores físicos de lutadores no Brasil, reconhecido nacional e internacionalmente como referência nesta área! Em suas colunas, Itallo tratá dicas de treinamento para ajudar os praticantes da arte suave a atingirem seu melhor desempenho.

E para apresentar devidamente nosso novo colaborador, preparamos uma entrevista com ele, abordando temas como erros comuns nos treinos, doping, e muito mais. Confere aí!

***

BJJ Fórum: Italo, antes de mais nada muito obrigado por nos dar essa moral de ser nosso colunista. Aproveita e conta pra galera um pouco sobre sua história nas artes marciais.

Itallo: Sou envolvido com artes marciais desde 1984, comecei no judô com o Welington Megaton (pai da Mackenzie) e treinei por muitos anos, cheguei a ser atleta infantil do Flamengo e segui treinando por anos. Parei por alguns anos e aos 16 anos migrei para o Jiu Jistu (onde estou ate hoje, esse ano completei 11 anos de faixa preta, graduado pelo Mestre Leonardo Castello Branco) e nesse período treinei um pouco de Muay Thai, fiz um bom tempo de Luta Olimpica com o Beto Leitão, e um bom tempo de Boxe com o Mestre Claudio Coelho. Eu sempre me machucava muito e por isso durante a faculdade de Ed Fisica fui me interessando pelo condicionamento físico de atletas e acabei me especializando nessa área. Fiz um curso com a equipe olímpica de Boxe Cubano e depois aprendi muito com o Marquinhos Tatoo, que é uma das maiores referencias no treinamento.

Fala um pouco também sobre o seu currículo como preparador físico e sobre quem são os principais nomes que estão sob sua tutela.

Conquistei todos os títulos da IBJJF/CBJJ como preparador físico e já trabalhei com diversos atletas, tanto atletas de ponta quanto praticantes que querem obter uma melhora no seu treino diário. Meus principais destaques são: Caio Terra, Osvaldo Queixinho, Samir, Raphael Abi-Rihan, Luan Carvalho, Felipe Costa, Igor Silva, João Gabriel Rocha Ricardo De La Riva, e por ai vai… Tenho muitos clientes do MMA também, como Pedro Rizzo, Victor Miranda, Yan Cabral, Matheus Nicolau, Pedro Falcão, Felipe Olivieri, Raoni Barcelos… E por ai vai.

Você é especializado em preparação física para atletas de alto rendimento em esportes de combate, como Jiu Jitsu, MMA e boxe. Quais são as principais diferenças na preparação física de um lutador em comparação a outros esportes, como o futebol?

As lutas (Jiu Jitsu e MMA) são esportes muito novos e não são olímpicos e isso faz com que a parte cientifica delas seja rara, temos que adaptar muita coisa. O principal é entender a sinergia única que compõe os esportes de combate, por isso devemos ter conhecimento a fundo da modalidade, os anos de pratica que tenho me ajudaram muito nisso. Trabalhar a especificidade e fundamental. As lutas não são esportes cíclicos, mesclam momentos de resistência seguidos por explosão muscular e por ai vai…

Você acha que o Jiu Jitsu é um dos esportes que mais trabalha o corpo por completo?

Não só o Jiu Jitsu mas as lutas como um todo, como eu disse o sinergismo muscular é único nas lutas, você alterna movimentos de empurrar e puxar a todo o instante, hora luta em pé, hora luta na horizontal… além de levar as articulações aos extremo. Por isso um trabalho físico bem orientado faz toda a diferença.

Quais você diria que são os principais erros cometidos na preparação física dos atletas de Jiu Jitsu?

É impressionante ver como muitas pessoas ainda treinam errado, tem uma mentalidade antiga de “quanto mais melhor”, de que a corrida ajuda no preparo físico… Tudo se baseia em sistemas energéticos e especificidade, nenhum esporte do mundo treina de forma tão bizarra quanto as lutas… Traing mask, circuitos sem especificidade nenhuma onde o único objetivo é deixar cansado, treinos em excessos…

Muitos dos meus atletas obtém rendimento não pelo que eu passo a fazer com eles, e sim pelas coisas (erradas) que eles deixam de fazer. Não é o quão duro é o seu treino e sim o quão certo ele é que faz a diferença. Utilizar a corrida para melhorar o “gás” da luta é a mesma coisa que bater manopla achando que vai melhorar a corrida, não faz sentido. Muitas pessoas passam a correr e sentem uma melhora no seu treino, mas não foi a corrida em si que melhorou seu treino e sim porque você perdeu peso e ficou mais leve, mais até dizer que isso é alto rendimento é totalmente diferente. Deixar cansado é uma coisa, deixar treinado é outra totalmente diferente.

Eu já visitei academias em que o professor, em pleno verão, não permitia ligar os ventiladores nem tampouco que os alunos tomassem água. Qual sua opinião sobre essa galera que acha que o treino tem que ser sempre duro e sofrido, e levar o atleta aos seus limites físicos e mentais?

Mais um erro enorme que acontece, o fator “casca grossa” é importante sim, mas não é ele que define quem vai ser o campeão, muitas academias fazem o que eu chamo de “treino tentativa de homicídio”, onde se tenta matar todos os alunos no treino e quem sobreviver se torna um campeão. E o que acaba acontecendo é que você faz isso com 100 alunos e forma um campeão, ai acha que o treino está certo, mas não, você só fez uma seleção natural e descobriu aquele aluno que seria um campeão em qualquer modalidade, e jogou 99 possíveis campeões fora, pois não soube descobrir e desenvolver o potencial deles. Achar que o treino deve ser 110% pois na hora da luta vai ser assim é um grande erro. Treine sempre no seu máximo e lutara em over training! Um maratonista nunca treina 42k, o que o faz render são os somatórios de todos os treinos.

O teste antidoping ainda está engatinhando no Jiu Jitsu, sendo feito apenas nos campeões e em datas bastante conhecidas pelos atletas, mas ainda assim nós já tivemos alguns nomes bem famosos sendo flagrados. Qual sua opinião sobre o Doping no Jiu Jitsu? Você acredita que se fecharem o cerco nos testes, como aconteceu recentemente no UFC, nós veríamos muitas diferenças nos campeonatos?

O implemento do antidoping foi um marco na história do Jiu Jitsu, ele ainda está engatinhando e tem que melhorar muito, mas mesmo assim foi uma das melhores coisas que aconteceu, gostaria de ver o mesmo nos eventos particulares (Berkut, Copa Podio, Abu-Dhabi por exemplo). Eu sou totalmente contra, porem sei que tem atletas meus que tomam e eu não posso fazer nada além de avisar dos riscos, até mesmo porque sempre tem um médico por trás e mesmo que o medico se recuse ele vai dar um jeito de tomar. Se o cerco apertar muitos atletas vão ser pegos sim! Eu afirmo que mais da metade dos campeões fazem ou já fizeram uso de substâncias proibidas, o que é uma pena.

Sobre o aquecimento e a parte física do treino de Jiu Jitsu: você acha mais proveitoso (tanto para um atleta quanto para o praticante por hobby) a tradicional corrida, com alongamentos, flexões, abdominais, etc, ou movimentos funcionais focados no Jiu Jitsu, como drills de passagens de guarda e movimentações em geral?

Um erro muito comum nas lutas (inclusive meu TCC foi sobre isso) é que o professor faz com o aluno o que o professor dele fez com ele, o aquecimento passa a ser o mesmo de 50 anos atrás, não evoluiu. E hoje vemos muitas academias fazendo circuitos com escadas, cones, cordas no aquecimento. E a verdade é que continuou errado, só mudou os exercícios, mas o objetivo continua sendo o mesmo: Cansar.

O aquecimento deve estar relacionado com o objetivo da atividade proposta e usar escada de coordenação não tem nada a ver com o Jiu Jitsu por exemplo, deve ser utilizar movimentos da própria atividade de forma fracionados e cadenciados, fazendo uma progressão pedagógica com os alunos, podemos inclusive inserir a posição a ser ensinada no dia no aquecimento, já mostrando para o aluno o que vai ser trabalhado, utilizando ate mesmo os Drills. Eu já ministrei alguns cursos sobre isso para algumas esquipes e federações e é interessante ver como a cabeça do professor abre.

Alguma dica final para a galera? Ou agradecimento aos seus apoiadores?

Treinem de forma especifica, com professores que entendem do que estão fazendo e não com aquele professor que não te cobra pelo serviço ou que é seu amigo da academia. Treinamento é coisa séria. Treino duro, luta dura, treino certo, luta fácil! Procure sempre profissionais especializados, cuidado com o doping e substâncias ditas milagrosas, a vida útil de um atleta (ainda mais lutador) é muito curta, não perca tempo e nem se deixe enganar.

Gostaria de agradecer a todos os meus atletas, pois é eles que fazem a verdadeira diferença, eu só oriento e mostro a direção certa, mas quem segue o caminho e entra para lutar são eles. Fiquem de olho nas redes sociais que sempre posto dicas interessantes, meu Instagram é @itallovilardo. Qualquer duvida podem entrar em contato, tenho sempre maior paciência para responder e quem quiser saber como treinar comigo basta mandar um email ou acessar o site. itallovilardo@yahoo.com.br

Osss

Itallo Vilardo – Preparador físico especializado em esportes de combate. www.itallovilardo.com